31 janeiro 2014

Rastreio do Cancro da Mama no concelho de Nisa


A Liga Portuguesa Contra o Cancro irá iniciar a 9ª volta do Programa de Rastreio de Cancro da Mama no Concelho de Nisa, realizando rastreio na Freguesia de Alpalhão, entre 29 de Janeiro e 4 de Fevereiro.
Se tem entre 45 e 69 anos de idade, responda ao nosso convite. O exame é simples e gratuito!
A Unidade Móvel encontra-se estacionada junto às antigas instalações da Galp e o horário de funcionamento é o seguinte: de segunda a quinta-feira das 9h às 13h e das 14h às 17h30 e, às sextas-feiras das 9h às 13h.
No que respeita às povoações de Vinagra e Pé da Serra, o Rastreio está agendado para o dia 10 de Fevereiro, em Nisa, e de acordo com o horário de transporte, cedido pela Câmara Municipal.
Para mais informações, contacte:
- Grupo de Apoio de Portalegre: 245 330 989
- Unidade Móvel de Rastreio: 915 999 896
- Coordenadora Adjunta do Rastreio de Cancro da Mama: 915 999 889

17 janeiro 2014

Zeca Afonso nas Festas de S. Simão (1980)




Sinalização e marcação do Caminho de Santiago no concelho de Nisa


O Sector de Atividades Desportivas e Lazer da Câmara Municipal de Nisa está a implementar o projeto de Sinalização e Marcação do Caminho de Santiago na sua passagem pelo concelho de Nisa.
O principal objetivo deste projeto é a correta orientação dos peregrinos que se dirigem a Santiago de Compostela, mas tem outros objetivos transversais, como a definição de etapas que contemplem a pernoita de peregrinos tanto em Alpalhão como em Nisa, contribuindo desta forma para a sustentabilidade do comércio local designadamente nas vertentes da restauração e da hotelaria.
Foram realizados trabalhos de prospeção, de reconhecimento e de limpeza em troços do Caminho e está em curso a sinalização e marcação do percurso. O projeto assume relevância, numa altura em que, tanto a sul como a norte do Tejo, os municípios que integram este itinerário se estão a mobilizar no sentido de procederem ao seu levantamento e sinalização.
Nisa integra um dos itinerários portugueses mais antigos até Santiago de Compostela, designado por Caminho Português do Interior, também conhecido como Caminho Português do Leste. Têm o seu início em Tavira, no Algarve e entra na Galiza por Chaves, ligando-se ao Caminho Sanabrês (prolongamento da Via da Prata) e seguindo por este até Santiago.
Existem diversas referências iconográficas, toponímicas a Santiago no concelho de Nisa. Na obra “Vias Portuguesas de Peregrinação a Santiago de Compostela na Idade Média” de Humberto Baquero Moreno, é referido um documento que se encontra na Torre do Tombo [ Chancelaria de D. Afonso V, livro 15, folha 45 v.], onde é relatado um episódio ocorrido em 1455, envolvendo um casal de peregrinos alemães que se dirigiam a Santiago da Galiza e que  apresentaram ao Juiz da Vila de Nisa, a queixa de terem sido assaltados por três vaqueiros no caminho entre Castelo de Vide e Nisa.
O Caminho Português do Interior entra no concelho de Nisa, junto às passadeiras da Ribeira de Sor, na confluência das freguesias de Vale do Peso (Crato) e de Alpalhão (Nisa), estende-se por cerca de 35 km até alcançar a ponte sobre o rio Tejo (Vila Velha de Ródão). Atravessa as freguesias de Alpalhão, Espírito Santo, Nossa Senhora da Graça, S. Simão e Santana e as localidades de Alpalhão, Nisa e Pé da Serra.
A sinalização deste itinerário contempla três fases distintas:–Sinalização e marcação com setas amarelas e a vieira de Santiago, que nalguns troços comporta também a colocação de postes de madeira e marcos em cimento (sinalética convencionada para a orientação dos peregrinos);– Colocação de sinalética complementar: placas direcionais urbanas, leitores de paisagem ou painéis indicativos;– Formalização de proposta à Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal, no sentido de homologar este itinerário como um percurso de Grande Rota.
15/2/2013

Festas de S. Simão - O cartaz de 2013


16 janeiro 2014

S. SIMÃO: Memória da tradição oral

As Alcunhas do Pé da Serra
Alcunhas quem as não tem
Há as em qualquer lugar
As que são do Pé da Serra
Eu vou aqui relembrar

A Nazaré Cavalheira
É mulher do Presidente
Mais conhecido p´lo Vara
Lá da Rua do Corrente

Junto à Fonte do Terreiro
Tem casa o Chico Barbeta
Moram no Largo da Igreja
Ti Farrada e Fastineta

Na Rua Nova eu conheço
O Pisco e o Zé Pação
O meu primo Chico Dim
E o ti João Manelão

Mesmo no centro da aldeia
Largo da Fonte da Bica
Vive o ti Zé Pires Pulão
E mais a ti Perna Chica

Lá bem no cimo do monte
Junto ao cemitério velho
Mora a Nazaré Fadinha
Com o ti Chico Bodelho

O ti Manel Louro Espirra
Hoje já perdeu o pio
Noutros tempos foi poeta
A cantar ao desafio

Não quero que ninguém fique
Com as alcunhas ofendido
Desculpem, mas estes versos
Foram feitos a pedido

Se calhar nos que falei
Comigo ficam zangados
Talvez os que ignorei
Queriam aqui ser lembrados

Tudo o que hoje escrevi
Somente a verdade encerra
Toda a vida eu ouvi
Falar assim cá na terra
Maria Nazaré Gonçalves 

S. SIMÃO: Obras na Freguesia

A Câmara Municipal de Nisa, está a calcetar uma pequena parte rente à estrada entre o início da Rua da Escola e o fontanário.
A curva da estrada, junto ao campo de futebol, também já conhecida pela curva do "bate-bate", já foi cortada e alargada, faltando apenas ser calcetada ou levar o respectivo alcatrão.
No edifício onde funcionam a Junta de Freguesia e o Centro de Dia, o chão da sala no piso superior está em muito mau estado, vai ser arrancado e colocado outro de novo, cujos materiais serão suportados pela Junta de Freguesia e a mão de obra pela Câmara.
José Hilário - 3/1/2013

S. SIMÃO: Poetas populares da Freguesia

À terra mãe
 Não sei por que te digo
Aquilo que me vai na alma
Se mesmo assim não consigo
Devolver-me a calma

Se todo o fim é o começo
Porque corremos então?
Atrás da tumba e do berço
Da nossa criação.

Dou-me em carne e osso
Em presente me ofereço
Dou-te aquilo que posso
Talvez pouco, te pareço.

João Louro

S. SIMÃO: Memórias da aldeia de Pé da Serra

"No concelho, as carroças asseguravam o transporte, sobretudo as dos moleiros, donos dos melhores exemplares de gado muar da região. Pelas estradas de macadame disputavam-se corridas, até com ultrapassagens ao som das trompetes.
Para a festa de S. Simão no Pé da Serra, a deslocação fazia-se a pé. No sábado pela tardinha, saía-se de Nisa e, após arruado na aldeia, tinha início o arraial. Comia-se e dormia-se em casa dos festeiros. Manhãzinha cedo, tocava-se a alvorada e depois da celebração da missa, seguia-se a procissão. De tarde, o arraial continuava até às tantas da noite. Madrugada alta, os músicos palmilhavam o regresso a Nisa onde, na Fonte Frade, dessedentados, respiravam o raiar da aurora e, ao bater das oito horas na Torre do Relógio, retomavam o serviço nas oficinas."
in "Histórias de Vida para a História da Banda de Nisa"