17 fevereiro 2011

Caminhada "Trilho da Serra de S. Miguel"

No próximo domingo, dia 20 de Fevereiro, a associação juvenil INIJOVEM promove a caminhada “Trilho da Serra de S. Miguel”, na aldeia do Pé da Serra, freguesia de S. Simão (Nisa). Esta caminhada abre o calendário 2011 de actividades pedestrianistas promovidas pela INIJOVEM. Trata-se de um passeio pedestre circular que, ao longo de cerca de 14 km, terá como pano de fundo a Serra de S. Miguel, ponto mais alto do concelho de Nisa, que se eleva a 463 metros de altitude, miradouro por excelência desta região do norte alentejano. Terá ainda como principais pontos de interesse a visita às aldeias do Pé da Serra, Vinagra, Monte Cimeiro, esta última desabitada desde cerca de 1984, a subida ao alto da Serra junto ao vértice geodésico de S. Miguel, onde em tempos idos, existiu a Capela do Arcanjo com o mesmo nome. Esta caminhada cruzará ainda, nalguns pontos, o percurso pedestre “PR5: À Descoberta de S. Miguel”. No final da caminhada realizar-se-á, na sede do Centro Recreativo e Cultural “Os Amigos do Pé da Serra”, um almoço convívio sob o lema “Leva o teu e come do de todos!”.
Os interessados em participar poderão inscrever-se até dia 18 de Fevereiro e obter mais informações na Internet (http://inijovem.blogspot.com) ou através do contacto directo na sede da INIJOVEM, em Nisa( Rua Marechal Gomes da Costa, 12 ), entre as 21h30 e as 24h00), por telefone (245 413671, 934777819) ou por correio electrónico (inijovem@gmail.com).
Apoiam esta iniciativa a Junta de Freguesia de S. Simão e o Centro Recreativo e Cultural “Os Amigos do Pé da Serra”.
As actividades pedestrianistas (caminhadas) têm numerosos aderentes no concelho de Nisa. Ao longo do ano, colectividades como a INIJOVEM e a Associação NisaViva e outras entidades, designadamente as escolas promovem caminhadas nos espaços urbanos e nas áreas rurais, aliando a prática da actividade física ao contacto com a natureza, à descoberta das belezas naturais e ao conhecimento do património histórico. Nas margens dos rios Tejo e Sever foram definidos e sinalizados 8 percursos pedestres registados e homologados pela Federação Portuguesa de Campismo e Montanhismo.

04 fevereiro 2011

NO RASTO DA MEMÓRIA

Condução do Correio para o Pé da Serra – (Sessão de 22 de Março de 1945)
"Pelo presidente foi exposta à Câmara a troca de correspondência havida entre o Município e o chefe da estação local dos CTT, que pretende o interesse da Câmara no sentido da condução de malas para a sede da freguesia de S. Simão seja feita por importância inferior a cinco (5) escudos diários.
A Câmara deliberou que fosse respondido afigurar-se o caso como insolúvel dado que a referida importância de cinco escudos se acha modestíssima.
Mais deliberou Câmara solicitar à Administração dos CTT que a citada condução não fosse reduzida a três dias por semana, continuando, como desde há muitos anos, a ser feita diariamente, pois que, o prejuízo alegado (dois escudos e cinquenta centavos diários) parece não justificar tal diminuição que acarretaria inúmeros prejuízos e transtornos aos povos interessados. "
Até aos anos 70 do século passado, a condução do correio para as freguesias rurais do concelho de Nisa onde não existiam estações dos CTT, era feita, diariamente, por pessoas, que recebiam para o efeito uma gratificação. Os serviços da Mala-Posta, extinta na segunda metade do século XIX, continuavam, com outra designação, a efectuar-se no país rural e interior, com meios de locomoção em tudo idênticos aos existentes no tempo da Mala Posta.
Conheci duas das mulheres que todos os dias, fizesse sol ou chuva, efectuavam o transporte da mala de correio para o Pé da Serra: a tá Mari Ana do Toco e a tá Mari Galacha. Recebiam, em contrapartida, uma bagatela para tamanho esforço, um “passeio” diário, entre Nisa e Pé da Serra e volta, num caminho em terra batida, cheio de pedras, pó e buracos ou repleto de lama no tempo invernoso.
Em época de miséria, cinco escudos e mais alguma coisa que as “montesinhas” lhes davam em troca do açúcar, do remédio ou do avio da mercearia, ajudavam ao precário sustento do lar.
Mas não se pense que os míseros cinco escudos (5) eram pagos de bom grado. Em 1945, alguns meses antes do fim da 2ª guerra mundial, uma carta endereçada pelo chefe da estação dos CTT de Nisa à Câmara Municipal, pretendia que esta se “interessasse” ou movesse influência para que tal serviço fosse feito por um preço inferior.
Na época, tal como agora, a prestação de serviços públicos às populações do interior era visto na base do lucro e a redução ou extinção de serviços, como medida de “racionalização”. A Câmara de Nisa, presidida pelo Dr. José Beato Caldeira Miguéns e tendo como vereadores José Dinis Paralta e José dos Santos Marques de Macedo, não só não atendeu o “pedido” do chefe da estação telégrafo-postal de Nisa como solicitou à Administração Geral dos CTT que o serviço de condução de correio para a sede da freguesia de S. Simão continuasse a ser feito diariamente e se mantivesse, dessa forma o apoio às populações.
Mário Mendes