19 agosto 2008

José(s) da freguesia em convívio

No dia 14 de Agosto, os José(s) da freguesia de S. Simão, naturais e residentes, reuniram-se num almoço convívio bastante participado e que juntou 17 indivíduos com o nome de José, entre eles dois conhecidos autarcas, o anterior e o actual presidente da Junta, José Miguèns (ti Vara) e José Hilário.
O almoço realizou-se no salão de festas dos Amigos do Pé da Serra e constou de leitão da bairrada, vinho bruto, queijo de Nisa, fruta e café.
Um dia bem passado e de confraternização e que na altura certa terá a devida repetição.

13 agosto 2008

Jornada desportiva e gastronómica


Juntou naturais de Pé da Serra e Monte Claro
O campo de jogos D. Maria Gabriela Vieira, vulgo Campo do Sobreiro, em Nisa, foi cenário, no passado sábado, da primeira parte do encontro desportivo e gastronómico, entre naturais e descendentes das aldeias de Pé da Serra e do Monte Claro.
Às 11 horas e debaixo de um sol abrasador deu-se início às festividades, com o pontapé de saída para o jogo de futebol.
Primeiros minutos muito tácticos. Os do Monte Claro, mesmo contando com um árbitro conhecido, não arriscavam, entretinham o jogo a meio campo, à espera de um golpe de sorte que pudesse resultar em golo, através de um contra-ataque.
Os do Pé da Serra pelo contrário, entraram em campo dispostos a “vingar” as derrotas nos encontros anteriores. Via-se, à vista desarmada que a equipa estava bem treinada, física, técnica e psicologicamente, treino a que não deve ter sido alheio o trabalho desenvolvido por António de Almeida Valente, sempre disposto a incentivar e a oferecer uma “pequenina”. Ao intervalo, já os de S. Simão venciam por 2-0 e tinham esbanjado outras tantas oportunidades.
No segundo tempo, Monte Claro entrou com outra disposição no jogo, com maior determinação e acutilância. Reduziram com um golo, a diferença no marcador, podiam ter chegado ao empate e como é habitual quem não marca, sofre. O tempo restante do encontro foi de sofrimento para as cores de Monte Claro que iam ficando mais negras de cada vez que um azougado extremo-esquerdo, à maneira antiga, metia a segunda, a terceira, a quarta, embalava, ia por aí fora e oferecia golos atrás de golos, assim como quem saboreia amoras, aos companheiros vindos de ao pé da serra.
Quatro a um foi o resultado final a mostrar as diferenças entre uma equipa mais jovem, a do Pé da Serra e outra formada à base de veteranos, bons e esforçados tecnicamente, mas sem pernas para as “diabruras” de dois ou três elementos tecnicistas e com futebol para dar e vender.
Acabado o jogo, debateram-se as virtudes e defeitos dos sistemas tácticos das duas equipas, entre uma e outra mini que o calor não perdoava.
Após o banho retemperador, os desportistas rumaram até uma quinta nas redondezas da vila e sentados ao correr da mesa, protagonizaram novos lances de ataque e defesa, às iguarias gastronómicas regionais.
O borrego, as febras, o convívio fez esquecer as peripécias do jogo anterior. Ali comeu-se e bebeu-se, cantou-se o fado, praticaram-se os jogos tradicionais e, sobretudo, fez-se a apologia da antiga amizade entre os habitantes das duas aldeias.
Digno de registo a forma como alguns jovens, a residirem noutros pontos do país e estimulados pelos pais, comparecem e participam neste convívio que se realiza anualmente.
A iniciativa pretende relembrar as décadas de 50 e 60 do século passado, quando os jogos de futebol entre as duas povoações eram muito mais frequentes e o passatempo preferido nas tardes de domingo.
No encontro deste ano, foi lançada a ideia de alterar a data de realização, fazendo-a incidir com as celebrações da Páscoa.
Para além da amizade e do convívio, aspectos sempre relevantes, há outros que não podem nem devem ser descurados e jogar futebol sob um calor tórrido e a horas impróprias pode transformar a festa num pesadelo.
Isto, se nos lembrarmos que em campo havia jogadores com mais de 50 anos e alguns até com mais de 70.

12 agosto 2008

Os nossos poetas

VENTO AMIGO
Tu! Que cantas alegre nos outeiros
Refrescas no Verão tardes amenas
Pões em movimento os veleiros
Leva para longe as minhas penas

Pões searas com movimentos ligeiros
Moinhos remoendo mágoas serenas
Semeias secos campos hospitaleiros
Afagas papoilas e açucenas

Quando no mar alto me fustigaste
E de repente me abandonaste
Eu sei que existes, mas nunca te vi

Pela noite acordas; madrugada
Numa poesia sempre renovada
Por tudo isto é que eu gosto de ti
José Hilário